Setor da construção civil oferece 5 mil vagas na região de Campinas

A boa fase da construção civil continua. O mercado está cada vez mais aquecido em Campinas e na região metropolitana. O setor registrou alta de 50,4% no primeiro semestre de 2010, segundo a Associação Regional da Habitação (Habicamp). Cinco mil vagas imediatas estão sendo oferecidas, sendo 2,5 mil só na cidade de Campinas, mas falta mão de obra qualificada para preencher as oportunidades.
Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que 62% das empresas de construção analisadas apontam a falta de trabalhador qualificado como o maior problema a ser enfrentado neste mercado. As ocupações mais requisitadas são pedreiros, engenheiros civis, mestres de obras, encanadores, eletricistas e técnicos em edificações. Segundo o presidente da Habicamp, Francisco de Oliveira Lima Filho, a falta de profissionais prejudica o andamento das obras.
“Todo o mercado da construção civil está passando por problemas de mão de obra. Por conta disso, muitas construtoras estão atrasando a obra porque não conseguem a contratação de um profissional”, explica.
Mas o mercado enfrenta ainda outro problema. No Centro Público de Apoio ao Trabalhador de Campinas (CPAT), as vagas para o setor têm procura, mas muitos candidatos acabam rejeitando as oportunidades. A coordenadora do CPAT, Sílvia Helena Garcia, acredita que eles não ficam satisfeitos com o salário oferecido, já que alegam ganhar mais trabalhando por conta própria.
“Baixos salários e poucos benefícios ofertados influenciam no tempo de preenchimento da vaga, que, em alguns casos, ficam abertas por até um mês, independentemente do impacto da turbulência na economia”, explica a coordenadora.

Fonte: http://eptv.globo.com/