REDE PROVECTUM abre suas portas : Parceria é o futuro do mercado

O cenário do mercado imobiliário brasileiro foi o tema do encontro realizado, nesta quinta-feira (27/07/17), pela Rede Provectum Imóveis para apresentar ações que devem ajudar a alavancar os negócios. O evento contou com a presença de representantes de 17 imobiliárias de Campinas e do consultor especializado nesse mercado, Guilherme Carnicelli, que fez uma análise econômica da atual conjuntura e comparou com outros mercados como o dos EUA e de Portugal.

Segundo Carnicelli houve uma recente recuperação nas vendas e uma grande expectativa para os próximos anos. “Apenas 30% das transações imobiliárias no Brasil são feitas com corretores, o restante são vendas diretas, portanto esse setor ainda tem muito para crescer e isso deve acontecer nos próximos três anos com o reaquecimento da economia do país”, comenta o especialista.

Ele ainda aponta para uma redução dos estoques de imóveis que estavam acumulados há meses, por isso novos negócios devem surgir. “As empresas do setor precisam se preparar para atender a demanda que irá surgir. O futuro são as parcerias, trabalhar em rede para multiplicar as possibilidades de negócios e gerar economia para o grupo em diversas áreas. Esse tipo de sistema já é realidade nos EUA desde a década de 1970 e em Portugal desde 1990”, ressalta Guilherme.

Os empresários debateram sobre as vantagens de fazer parte da rede Provectum, que já reúne 25 mil imóveis com 18 credenciados e 218 corretores. “O objetivo é ampliar esses números, criar uma rede ainda mais consistente para atender qualquer tipo de demanda em qualquer região da cidade. Acreditamos em um crescimento de 100% no número de credenciados até o final desse semestre”, explica o diretor geral da Rede Provectum, Luiz Bueno.

O objetivo da Rede é realizar reuniões com empresários do setor a cada dois meses e expandir para outras cidades da região como Sumaré e Americana. “Fazer parcerias é viabilizar os negócios e todos saem ganhando. É o futuro do mercado, quem não se atualizar, tende a ficar para trás”, finaliza Bueno.