Crédito imobiliário brasileiro pode crescer sem riscos, diz diretor do BC

O crédito imobiliário brasileiro pode crescer sem riscos. Ao menos esta é a análise do diretor de Assuntos Internacionais e Gestão de Riscos Corporativos do BC (Banco Central), Luiz Awazu Pereira da Silva.

Conforme publicado pela Agência Brasil, na opinião de Silva, o mercado tem “robusta estrutura de regulação e fiscalização”. Além disso, o crédito imobiliário brasileiro representa apenas 10% do total de crédito ofertado, situação bem diferente do que ocorre em outros países.

Para ele, contudo, é importante buscar alternativas de fontes de recursos para o financiamento imobiliário, além do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e da poupança, sendo que a securitização tem um papel importante como mecanismo para dinamizar e não “de disseminação de risco”.

Crédito

A opinião do diretor do BC está em sintonia com o que diz o presidente da instituição, Alexandre Tombini, que participou na última quinta-feira (4) do programa Bom Dia Ministro, sobre a situação do crédito no Brasil em geral.

Na ocasião, o presidente do BC lembrou que, mesmo com o surgimento da nova classe média, o crescimento do crédito no Brasil (50% do PIB) é seguro. De acordo com ele, a expansão do crédito tem ocorrido em um cenário positivo da economia nacional, o que traz segurança.

“O Brasil tem uma regulação que permite fazer frente a possíveis perdas que possam ocorrer por conta do crédito (…) O crédito cresce, mas na esteira da renda, do emprego, da economia”.