Consumidores estão mais à vontade para comprar casa ou carro

Os consumidores se mostraram confiantes quando se trata de comprar uma casa ou um carro agora, do que há seis meses. A confiança para comprar itens da casa, como fogão ou geladeira, também cresceu em junho, só que em menor ritmo.

De acordo com o INC (Índice Nacional de Confiança) divulgado pela Associação Comercial de São Paulo, a parcela dos que se sentem um pouco mais ou muito mais à vontade para adquirir um carro ou uma casa subiu um ponto percentual, passando de 34% em maio, para 35% em junho. No sentido oposto, a parcela dos que se dizem um pouco e muito menos à vontade caiu de 34% para 31% no mesmo período.

O INC dos consumidores que se mostraram mais à vontade para comprar itens para casa avançou três pontos percentuais em junho em relação ao mês anterior: de 44% para 47%. Já a média dos brasileiros que afirmaram se sentir um pouco menos ou muito menos à vontade para comprar esse tipo de produto agora do que há seis meses ficou em 26%, frente aos 28% registrados um mês antes.

Ao considerar as compras maiores, como as de um carro ou casa, a pesquisa aponta que a classe C está mais à vontade, com 40% das respostas, contra 39% das A e B e 26% da DE.

A região Sul apresentou 48% da população declarando estar um pouco ou muito mais à vontade com as compras maiores. O Nordeste ficou com 43%, seguido pela região Sudeste (34%) e pelas regiões Norte e Centro-Oeste, onde o índice foi de 18%.

Próximos seis meses

Em relação à confiança do consumidor no futuro da economia da sua região, 43% acham que vai ficar mais forte, contra 40% dos entrevistados em maio. Já a avaliação dos que acham que a economia vai ficar mais fraca se manteve em 11%.

Quanto à condição financeira pessoal dos entrevistados, 54% acham que vai ficar melhor no próximo semestre, três pontos percentuais a mais que em maio. Já 10% acham que vai ficar pior, o mesmo número mostrado em maio.