Imobiliária em Campinas

Quando posso usar o FGTS para pagar um imóvel?

em: Provectum

Tenho um imóvel próprio, já registrado em cartório, e não posso comprar outro utilizando o FGTS. Mas uma vez comprado um novo imóvel financiado, eu posso, depois de vender o imóvel anterior, usar o fundo de garantia para abater parte da dívida do novo imóvel adquirido? Note que no segundo momento eu volto à condição de ter somente um imóvel em meu nome.

Resposta de Marcelo Prata*

Sim, você pode. Para isso, será necessário comprovar a venda do primeiro imóvel. Essa comprovação é realizada quando você for solicitar o saque do FGTS para a amortização do financiamento. O documento que comprova isso é a certidão de matrícula atualizada (emitida pelo Cartório de Registro de Imóveis) onde consta o registro da venda.

Vale lembrar que não possuir um imóvel para moradia na mesma cidade, na região metropolitana ou nas cidades limítrofes é apenas uma das exigências para utilização dos recursos do FGTS, mas há outras como, por exemplo:

1 - Possuir três anos de trabalho sob o regime do FGTS, somando-se os períodos trabalhados, consecutivos ou não, na mesma ou em diferentes empresas;

2 - O valor do imóvel não pode ser superior ao limite do SFH (Sistema Financeiro da Habitação), que é de 500.000 reais;

3 - O imóvel deve localizar-se na mesma cidade onde você trabalha ou onde reside há mais de um ano, nos municípios limítrofes a ele ou integrantes da mesma região metropolitana.

*Marcelo Prata é presidente da Associação Brasileira dos Corretores de Empréstimo e Financiamento Imobiliário (Abracefi)

Governo publica normas sobre a utilização do FGTS para reforma de imóvel

em: Provectum

Fonte: Info Money

SÃO PAULO – Foram publicadas nesta sexta-feira (10), no DOU (Diário Oficial da União), as normas que permitem a utilização de recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para a reforma da casa própria.

A linha de crédito, conhecida como Fimac-FGTS (Financiamento de Material de Construção), poderá ser utilizada para construção, ampliação e reforma de unidade habitacional. Além disso, o recurso poderá ser utilizado para implantar sistema de aquecimento solar na residência.

Valor máximo

De acordo com as normas, o valor máximo de financiamento é de R$ 20.000, e o valor do imóvel não pode ter valor de mercado superior a R$ 500.000. Entre os pré-requisitos para obter a linha de crédito, o trabalhador deverá ter, no mínimo, três anos de trabalho sob o regime do FGTS, podendo ser na mesma empresa ou empresas diferentes.

Além disso, deverão apresentar contrato de trabalho ativo ou saldo em conta vinculada do FGTS na data de concessão do financiamento, correspondendo a no mínimo 10% do valor de avaliação do imóvel.

Saiba como utilizar o FGTS para comprar a casa própria

em: Provectum

Fonte: Imóvel Web

O FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) pode ser utilizado na compra da casa própria - pronta ou em construção - como parte do pagamento ou pagamento integral, seja por meio de financiamento bancário, compra à vista ou consórcio imobiliário (lance ou complemento de carta de crédito).

Para que os recursos possam ser utilizados, há alguns requisitos que precisam ser preenchidos, tanto por parte do imóvel, quanto por parte do comprador. O imóvel ,por exemplo, precisa ser residencial, urbano e destinado à moradia própria. Confira as exigências:

Condições básicas do imóvel

- Ter valor de avaliação na data da contratação de até R$500 mil;
- Ser residencial urbano;
- Apresentar, na data da avaliação, plenas condições de habitabilidade e ausência de vícios de construção;
- Não ter sido objeto de utilização do FGTS há menos de três anos;
- Estar devidamente matriculado no Cartório de Registro de Imóveis responsável pela sua região;
- O imóvel deve destinar-se, obrigatoriamente, a instalação de residência do proponente, cujos recursos estão sendo utilizados;
- O imóvel a ser adquirido deve estar situado em uma das seguintes localidades: no município onde o proponente exerça a sua ocupação principal, ou em município limítrofe ou integrante da respectiva região metropolitana; no município em que o proponente comprovar que já reside há pelo menos um ano.

Condições básicas do comprador, titular da conta vinculada do FGTS

- Comprovar tempo de trabalho mínimo de três anos sob regime do FGTS;
- Não ser proprietário ou estar em processo de compra de imóvel residencial, concluído ou em construção, financiado pelo SFH, em qualquer parte do território nacional;
- Não estar em processo de compra ou ser proprietário de imóvel residencial concluído ou em construção no município onde exerça sua ocupação principal, nos municípios vizinhos e na região metropolitana; ou no atual município de residência.

Regras do financiamento para materiais de construção entraram em vigor nesta sexta

em: Provectum
 
Fonte: Info Money
SÃO PAULO - Foi publicada nesta sexta-feira (13) no Diário Oficial da União a oficialização das regras do Fimac FGTS (Financiamento de Material de Construção).

Apesar de as regras entrarem em vigor a partir da publicação, a liberação dos recursos só deve ser iniciada em 30 dias.

De acordo com a publicação, a intenção do financiamento é garantir mais opções de financiamentos na área habitacional, por isso, a medida atingirá todas as faixas de renda, porém, é obrigatório ser cotista do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e ter vínculo empregatício ativo.

Regras

O valor do financiamento será limitado a até R$ 20 mil, com possibilidade de pagamento em até 120 meses.

Em relação CET (custo efetivo total), incluindo juros, comissões e outros encargos financeiros, ele deve ser de no máximo 12% ao ano; já a taxa nominal de juros do FGTS é de 8,5% ao ano e incide sobre o saldo devedor atualizado.

Apesar de utilizar recursos do Fundo de Garantia, a amortização ou quitação do financiamento não poderá ser realizado por meio de saques do FGTS.

O financiamento poderá ser pedido para imóveis residenciais, porém, o interessado no financiamento só será beneficiado se comprovar que o lote ou edificação é regular.

Com o crédito, será possível comprar materiais de construção para reforma, construção ou ampliação do imóvel, instalação de medidores individuais de água, implantação de SAS (Sistemas de Aquecimento Solar) e também itens que visem à acessibilidade, ao desenvolvimento sustentável e à preservação do meio ambiente.

FGTS aprova linha de crédito para compra de material de construção

em: Provectum


Edna Simão, da Agência Estado


BRASÍLIA - O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou nesta terça-feira, 10, uma linha de crédito especial para compra de material de construção pela classe média. Inicialmente, serão destinados R$ 300 milhões do fundo para esse tipo de operação, valor que, dependendo do comportamento da demanda, poderá ser elevado para até R$ 1 bilhão.

Para ter acesso a linha de crédito, o interessado precisa ser cotista do FGTS. O valor do empréstimo está limitado a R$ 20 mil e o prazo de pagamento será de até 120 meses. A taxa de juros será bem mais atrativa do que as oferecidas atualmente no mercado. O juro foi fixado em até 12% ao ano. Segundo o representante da Confederação Nacional do Comércio (CNC) no conselho curador do FGTS, Claudio Conz, atualmente, o custo anual desse tipo de operação varia de 25% a 45% ao ano.

O representante do ministério do Trabalho na reunião, Paulo Furtado, explicou ainda que todos os cotistas, independente da renda mensal, poderão solicitar o empréstimo. O valor do imóvel que será reformado, no entanto, terá que obedecer os limites do FGTS ou seja R$ 500 mil. Além disso, se o valor do empréstimo exceder R$ 10 mil, o interessado terá que apresentar documentação de que está sendo efetuado o pagamento de benefícios previdenciários aos trabalhadores da obra.


Estímulo


Para Conz, que também preside a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), a medida vai ajudar a alavancar o crescimento das vendas de material de construção neste ano, período em que as instituições financeiras poderão ficar mais cautelosas na hora de emprestar dinheiro por conta dos efeitos da crise econômica mundial. A expectativa é de expansão das vendas entre 7 e 8% neste ano ante 4,5% de 2011.

O representante da CNC afirmou ainda que o valor de R$ 20 mil por cotista não é baixo. Segundo ele, em média, os empréstimos para essa finalidade variam entre R$ 7 mil e R$ 8 mil. "Está bem adequado a realidade", frisou.

Busca

Newsletter

Seu e-mail

Arquivo

Facebook

Twitter

Twitter Youtube Flickr Facebook